Os Pandas Gigantes em vias de extinção

​Os pandas gigantes provêm de uma enorme família da mesma espécie. Vividos em estado selvagem, encontravam-se distribuídos em mais de 16 províncias e regiões do Leste e Sul da China, e parte de regiões dos países vizinhos como Birmânia e Vietname. Actualmente, vivem de forma dispersa no topo do Planalto Tibetano e nas florestas de 6 áreas ao longo da encosta sul das Montanhas Qinling. O número total de pandas gigantes é de 1600 e tornaram-se uma espécie rara e valiosa, a sua população encontra-se em vias de extinção.

As razões que levaram ao desaparecimento dos pandas gigantes foram as seguintes:

1. Agravamento das alterações climáticas
Sujeito à formação de glaciares no século IV, o clima mudou drasticamente. As condições de vida agravaram-se, bem como outros animais que viviam na mesma época que os pandas gigantes, tais como os tigres dentes-de-sabre, mamutes e rinocerontes chineses não conseguiram evitar o final trágico da extinção devido às enormes mudanças climáticas. Desde então, embora a sobrevivência dos pandas gigantes, outras catástrofes têm vindo a suceder continuamente. Também a área de distribuição dos pandas gigantes diminuiu constantemente, bem como a sua população.
 
2.  O impacto das actividades humanas
Apesar de os pandas gigantes terem sobrevivido às drásticas mudanças climáticas, as sucessivas ameaças humanas à sua sobrevivência agravaram a situação.
- Caça dos pandas gigantes pelo Homem
Este facto contribuiu, ainda mais, à redução dos pandas, principalmente após a descoberta da sua espécie em Bao Xing por padres ocidentais, tendo-se registado uma afluência de caçadores estrangeiros à China, que caçavam sem escrúpulos. Na tentação de obtenção de lucros extraordinários, alguns indivíduos violararam a lei, tomaram riscos, independentemente das legislações nacionais de conservação, ameaçando directamente a sobrevivência dos pandas gigantes.

- Expansão sem restrições das actividades do Homem
Com o tremendo crescimento populacional, as cidades e regiões desenvolveram-se, e as florestas foram abatidas em grande escala. O habitat dos pandas gigantes foi severamente destruído e o seu espaço confinado a zonas muito reduzidas. Os trabalhos de construção de grande envergadura, como linhas de caminhos-de-ferro, auto-estradas, reservatórios e barragens, o habitat dos pandas gigantes tem desaparecido, conduzindo à origem da segregação destes animais, cuja situação agravou-se severamente.
A área de distribuição dos pandas gigantes foi reduzida de 50.000 Km2 para 10.000 Km2. Os 1600 pandas gigantes que vivem actualmente na China estão distribuídos principalmente pelas províncias de Sichuan, Shanxi e Gansu, nas florestas de Minshan, Qinling, Qionglai, Liangshan, Daxiangling e Xiaoxiangling e Laishan. Estes pandas gigantes encontram-se localizados nas fronteiras entre as várias províncias, cidades e regiões administrativas e foram separadas por estradas, pontes, rios e vilas, transformando-se em 20 áreas, comparáveis a ilhas com dimensões variadas, sendo os pandas gigantes forçados a viver separadamente em diferentes zonas. O facto de terem dificuldade em migrar livremente, possui implicações na reprodução, levando à perda da diversidade hereditária, originando deterioração da qualidade das espécies e à sua gradual extinção.
Em resposta à grave fragmentação do habitat dos pandas gigantes, alguns especialistas sugeriram criar zonas de corredores ecológicos como medida de recurso quando pontes e estradas são construídas nas regiões de habitat dos pandas gigantes. No entanto, o panda gigante é uma espécie com um forte carácter de fuga. Eles necessitam de um ambiente ecológico com uma vasta área, de modo que esse método de conservação de corredores ecológicos está longe de ser suficiente.
3. Fraca capacidade de reprodução
Os pandas gigantes adultos só acasalam uma vez por ano. O número de crias por ninhada é de um ou duas. As crias recém-nascidas pesam apenas cerca de 100grs. O seu crescimento não é completo, o sistema imunitário é fraco, resultando também de uma fraca taxa de sobrevivência. Mesmo sob condições de reprodução artificial, a taxa de sobrevivência é de apenas 37,6%. Em estado selvagem, a taxa de sobrevivência das crias de pandas gigantes é ainda menor. Afectados pelas actividades humanas, pela segregação da população, assim como pela dificuldade de os pandas gigantes perderem a oportunidade de acasalarem e de se reproduzirem, acompanhado por doenças e morte, o crescimento natural dos pandas gigantes é bastante lento.
Segundo os especialistas chineses dedicados na área de preservação, o habitat dos pandas gigantes foi separado pelo rápido desenvolvimento urbano, que os impossibilitou de se moverem livremente para outras regiões para acasalarem, o que aumenta o risco de reprodução entre parentes. Se esta situação continuar, o panda gigante, o chamado tesouro nacional da China, está em perigo de extinção dentro de duas ou três gerações.
4. Única fonte de alimentação
Os pandas gigantes têm uma alimentação muito restrita pois só comem bambu. No entanto, a floração dos bambus é cíclica, secando após a floração (o ciclo é de aproximadamente 60 anos). A floração dos bambus é um processo natural e os pandas gigantes têm vindo a adaptar-se ao ciclo de floração do bambum pelo que têm mantido a sua sobrevivência. No entanto, com a destruição dos seus habitats e a perturbações causadas pelos humanos nos dias de hoje, a floração e crescimento do bambu agravou o problema e criou uma escassez de alimentos para os pandas gigantes. Muitos deles morreram de fome, facto que agrava a existência de pandas gigantes. A ameaça á ainda maior em locais nos quais só existe uma variedade de bambu comestível.
 
Data da última actualização : 03/10/2018
Utilize o Internet Explorer 10 ou superior e a resolução 1024*768 ou superior
Licença do IAM 2018 | Política de Privacidade | Declaração de isenção de responsabilidade | Termos de utilização |